Clinica Odontológica Silvânia Rocha

Clinica Odontológica Silvânia Rocha
Clinica Odontológica Silvânia Rocha 3019-8911 3052-1880

domingo, 22 de outubro de 2017

O reverso da medalha


As vezes fico pensando até onde o arrependimento mata, fere por dentro, transformando a vontade  de voltar no tempo em um futuro melhor. Mas, a certeza de que aquilo que foi dito não pode ser desdito e imagina a desdita.
Como também o que foi feito desfeito..

E com o passar dos dias, vivendo cada gota de dor em alguns dias e em outros ouvindo o próprio sorriso iluminando o riso. Advém a sentença o que esta feito, tá feito.

Feito de agrado ou não, a verdade nos é cruel as vezes quando a bendita desdita é consequência e vem ao nosso encontro de viés desmeritando a causa.


 Desmeritando a causa vem uma tsunami de sentimentos contraditórios por dentro. E as vezes você está numa sala cheia de gente, e o barulho do teu silêncio é tão grande que a única pessoa que consegue te ouvir é você mesmo.
Os dias passam, os meses mas a culpa é um sentimento tão destruidor que as vezes corrói a retina da esperança e você não enxerga as possibilidades que a vida, Deus lhe concede por não se achar merecedor. 

A culpa como divisor de águas precisa fazer você sentir doer tão profundo o arrependimento para tua alma ter certeza de que não precisa, não merece e não vai fazer de novo. É um processo redentor, é quando você começa a entender que o que você ganha ou perde caberá só a você mesmo resolver.
É a self do retorno do jedi ... E ressurgem das cinzas sentimentos abandonados, corrompidos pelos atos, atitudes ou palavras impensadas.
E você aprende a se dar colo, a te acarinhar, a te proteger do mal que você mesmo pode te causar. E a cautela, a prudência renascem juntas com a coragem e a vontade de fazer tudo para não merecer que  culpa ou o arrependimento te corrompam novamente.

E algumas vezes em nossas vidas precisamos passar por este processo pois ele é um profundo aprendizado, é quando a honestidade com você mesmo vem a tona e te defende de tudo que sua emoção, comoção, pena, falta de tato, razão ou maturidade não conseguem afastar de você.
As vezes somos tão cruéis conosco que a vida emana de formas diversas, conselhos em formatos de ombros amigos, frases em para-choque de caminhões, trechos de livros abertos aleatoriamente. E algumas vezes é tão preciso passar por isso ou aquilo para que nossa alma deguste com dor, lágrima, alegria e sorriso o quanto é bom ou não determinada situação. E aprenda! 
É quando a vida exige, pede que sejamos mais humildes.


É quando aprendemos meio que por osmose a nos priorizar. E isso foi o que Jesus ensinou o tempo todo. Mas tudo em nossas vidas, é uma questão de prioridade.. Ele amou todos o tempo todo, o tempo todo ele amou a todos. Sem importar se o apedrejou, se zombou, se riu, se compreendeu, se chorou, se sentiu. Ele priorizou o amor... não esse sentimento medíocre, pobre e acima de tudo interesseiro que alguns de nós como pais e mães estamos passando para nossos filhos.
Aprendemos meio que por osmose que existe algo mais por trás daquela lágrima, daquela dor, daquela perda, daquela solidão, daquela loucura. E existe um ser humano, uma alma ali dentro que sente antes do corpo, que pressente, que luta, re-luta, que intui, que se conectava com o sagrado antes mesmo de ter renascido aqui neste planeta. Uma alma que sofre por não se conhecer a fundo e as vezes por não saber que tem meios de se conhecer. 
E isso é aprendizado, é pegar os livros da vida, ler cada linha, escrever com atos, atitudes e ações novas histórias. Tendo a certeza de que o erro faz parte de todo e qualquer processo de aprendizado.


É quando aprendemos que a vida vai muito além de simplesmente viver. É um legado mágico, único que temos em nossas mãos, um legado pelo qual somos os únicos responsáveis pelas lágrimas e sorrisos. Legado pelo qual somos autores, protagonistas, coadjuvantes mas sempre donos de cada personagem por nós representado. É um legado do qual levamos para além desta mesma vida os sentimentos bons ou não, a impressão que tatuamos nas outras almas, os sorrisos ou mágoas que despertamos em outros corações. E não !
Não é a vida que nos destrói, não é o tsunami ou o choque das placas tectônicas são as nossas escolhas, os nossos sin's e nossos não's. São os limites que impomos ou não.
É quando aprendemos que as vezes o silencio ensina mais que mil palavras. Que algumas vezes não é para ser ou acontecer e que um dia teremos capacidade de entendimento para saber o porque. E que, o não algumas vezes vem de Deus, como um pai justo, amoroso assim como o meu pai, a minha mãe me disseram vários nãos e aqui estou. Desse jeitinho assim, um compendio de regras e limitações, de ponderações, de erros e acertos, de choro e de riso.

E assim minha medalha vai virando, sendo decantada, destilada pelas consequências, modelada, tatuada pelas minhas ações.


 Bjs e até o próximo post.
Debby :-)

2 comentários:

  1. Simplesmente perfeito, belíssima reflexão. - Marcus Catão

    ResponderExcluir
  2. Oi, Debby!
    Você escreveu tudo!! Quando chegamos ao ponto do arrependimento é porque reconhecemos o erro. A sua aceitação é o outro meio do caminho para nos perdoarmos. A culpa vem quando afetamos negativamente além de nós. Cada um sabe de si e de sua dor! Não passamos por essa vida imunes!
    Boa semana!!
    Beijus no coração!!

    ResponderExcluir

Aqui você vai chorar comigo, vai rir comigo, vai recordar comigo, vai se emocionar.. vai viver comigo.
Mas quando sair comente..
E me faça feliz! Debby :) :)