Clinica Odontológica Silvânia Rocha

Clinica Odontológica Silvânia Rocha
Clinica Odontológica Silvânia Rocha

Bem vindo, você é meu visitante número:

Bem vindo, você é meu visitante número: glitters Recados, Fotos, Imagens - Torpedo Gratis

Lomadee

Viaje pelo mundo com a ZARPO!

Patrocinando Em nossas Vidas

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Coisas boas sempre chegam...




Eis que de repente.
O que era aos poucos, gradativamente, vai deixando de ser, desaparecendo ou mudando o contexto. 
Eu disse antes que estava sentindo aquela brisa boa de mudanças. Mas com a minha caminhada aprendi que toda e qualquer mudança principalmente a interna é dolorosa. Porque você tem que desapegar, que deixar, que romper, que partir, que mesmo não querendo deixar ir.

Então!
Me vi alguns dias completamente perdida.. sem minha bússola interna (FÉ), desacreditando de algumas coisas da vida das quais tinha plena convicção de serem para sempre...  Mas tudo muda e o mundo gira em constante movimento, e é esse movimento que nos faz mudar, agir ainda que seja por osmose. O passar dos dias me fez acreditar, cada vez mais, que viemos a este mundo com o intuito de aprender, de ensinar e viver de forma que o prazer, a felicidade, a realização venham acompanhados pela paz de dormir com a consciência tranquila.

Erro?
Errei muito, vou errar muito mas não vou persistir no mesmo erro mais de uma vez, porque tem erro que dói tanto na alma que só o pensamento de tentar fazer a mesma coisa já começa a dor de cabeça. 
Mas voltando a minha brisa boa.. não sei se com você é assim mas sempre que estou passando por uma tormenta, uma tempestade e ultimamente os tsunamis estão virando quase que uma constante em minha vida. Eu sinto o retorno do meu Jedi kkkkkk e sinto que sempre estive e continuarei numa busca incensante  dele. Porque essa busca eu acredito que faça parte da minha reforma intima. Então chorei muito, orei muito mas percebi que estava orando sentindo muita pena de mim, e minha intuição me dizia:
 porque ? se essa reação é fruto da sua escolha, do seu querer, da sua ação...

Então a minha reação foi a de mudar. E mudei o que antes me fazia chorar porque eu pensava que não iria conseguir suportar.. aprendi estancando o choro e saindo um pouco de mim... olhando ao meu redor, me vendo por fora. Vi que a minha garra, a minha esperança, o meu poder único de superação estavam tomando o mesmo sentindo da minha fé naquela ladeira desse POST .

E mudando, gradativamente a brisa boa foi me fazendo companhia por mais tempo... percebia mas beleza em alguns quadros que antes passavam despercebidos e a esperança está se aninhando aos poucos. O sorriso voltou a sentir o gostinho bom de um sorriso verdadeiro.
E falando em verdadeiro.. lembram daqueles amigos ??? verdadeiros ?? que você assim como eu conta nos dedinhos ???? POIS É ... estão fazendo uma corrente para que eu consiga um emprego. Mas Deus é o senhor de todos os tempos e com o meu ele não iria agir diferente.
Estou sentindo que estou saindo da repescagem, devagar, pois essa fase sinto que está sendo crucial para meu crescimento.

E não existe nada, nada melhor do que um dia após o outro.


Bjs
E até o próximo post
Debby :)


sexta-feira, 17 de julho de 2015

Arquivo Blog Confidencial ==> Bianca...




Essa é a Bianca ou simplesmente Bia.
Prima em segundo grau e hoje... enteada. Oi ???
kkk
É uma longa história que você pode ler AQUI.

Com a convivência estou descobrindo um serzinho lindo, meigo, que ama cachorros, e um pouco parecida comigo e ontem ela me pediu para dar a nota nesse texto que ela escreveu.
Tem também, assim que nem eu, a incrível mania de chorar e se emocionar por um livro, filme, histórias de vidas... e se você gritar comigo ou com ela.. pode esperar que agente não vai te gritar. Agente vai chorar...
Somo manteigonas hein Bia... ??? kkkkk
Gentem olhem que lindo. Puxem a cadeira, sentem, leiam e comentem :)   :)

Esse fim de semana, minha vó olhou para mim com os olhos repletos de lágrimas, e com a voz trêmula, mas com ar de alegria, e me disse "eu quero minha bia de volta", com espanto e sem entender nada, eu perguntei "como assim vó?" e muito emocionada ela me respondeu "você agora é uma mulher, não estou vendo mais a minha garotinha, olho pra você e vejo um mulherão" ao ouvir isso simplesmente fiquei sem reação, fui até ela e lhe dei um abraço muito apertado, contendo também as minhas lágrimas. Naquele momento de emoção não soube da uma resposta, de que mesmo crescida, sempre serei a menininha que ela sempre amou, e que sempre amei de volta. Agora, deitada no aconchego do meu quarto depois de um dia de trabalhei, resolvi fazer uma coisa que a muito tempo não faço, escrever. O que estou sentindo, o que estou pensando, o que mudou, o que está igual. E como muita gente que está fazendo faculdade na área de humanas, eu comecei a me analisar. Dizem que quando está na sala de aula, de medicina por exemplo, aprendendo sobre as doenças e seus sintomas, tem mania de achar que está sentindo aquilo, que esta com aquela doença, e com psicologia não é diferente, as vezes achamos que temos os mesmos problemas que estamos analisando. As coisas que vejo em sala, acabo tentando exemplificar com coisas da minha própria vida, e assim comecei a pensar no que minha vó falou e a relembrar os últimos tempos, junto com as últimas aulas. Esse semestre tive uma matéria de desenvolvimento humano, onde estudamos a fase de transição da infância pra adolescência, as fases de oscilação, de ser corajoso pra tudo e ao mesmo tempo ter tanto medo da vida, lembro de pegar meu caderno de madrugada e começar a escrever sobre a minha vida naquele momento, as alegrias e as tristezas, o carinha que não estava afim de mim, das amizades que balançavam com as intrigas de adolescentes, mas sempre se mantinham de pé, e com todos esses pensamentos eu começava a chorar, muitas das vezes eu não entendia porque eu estava chorando, não entendia o que estava acontecendo comigo, estava insatisfeita tendo tudo que uma garota na adolescência precisa, e hoje na faculdade, eu vejo que foi uma fase de oscilações. Mas como foi uma fase se eu nem percebi que ela passou? Certo dia comentei com uma tia "quando eu crescer vou querer fazer tal coisa" e ouvi uma resposta que não esperava dela "Bianca, você já é maior de idade, quando você crescer pra onde?" e eu me toquei que não faltava muito tempo para o que estava planejando pro futuro. Sempre escutei os mais velhos falarem que a vida passa rápido, pra aproveitar o máximo possível, eu só não coloquei fé de que seria rápido como o vento. Sempre imaginei minha vida como seria nos próximos anos, na faculdade, curtindo, talvez com um namorado, talvez trabalhando, e hoje é exatamente assim, cheia de responsabilidades, trabalho, faculdade, namorado. Então, como será daqui pra frente? Não sei o que imaginar, tento deixar a vida me levar com a saudade dos tempos de crianças, das loucuras da adolescência. E a incerteza de qual grupo me encaixo, não me sinto adulta, mas sei que já passei pela adolescência, então o que eu sou? A pergunta que muita gente se faz, e que não obtemos respostas. "


Linda né?
Éeeeee família Rocha só tem mulherão.... kkkkk

Amamos assistir pela madrugada adentro e afora (se é que é assim que se escreve kkk) seriados. O sorriso dela vai do oiapoque ao Chui.
E assim vamos encurtando a distância entre nossas emoções.

Bia você bem sabe que a cabeça de sua boadrasta kkkk não anda legal. Poderia sim escrever mais e mais e muito mais legal... mas o que importa é o que sai de dentro. 

Bjs
Debby :)

Adorando te conhecer um cadinho mais a cada dia.


segunda-feira, 13 de julho de 2015

TUDO PASSA!




E passa!

Continuo sem computador, mas essa louca e estranha vontade de escrever algumas vezes me consome literalmente.

E aqui estamos nós...


Resumindo a minha opera. Hoje tenho plena certeza que voltei para Salvador num momento de profunda crise e reviravolta em nosso país. E digo porque sinto na pele a dor, a insegurança, o medo, a ansiedade, a tristeza, a solidão e o vazio que o desemprego causa. A quem sempre foi acostumado a ter seu ganha pão.
Talvez você diga.. e você não enxergou que essa bolha a qualquer momento iria estourar.
Eu respondo.
Dentro da minha ínfima humanidade. Não!. 
Estava com 3 entrevistas agendadas para o inicio desse ano. Muitas...e repito MUITAS promessas de emprego de parentes que tinham amigos gerentes, donos... funcionários de empresas. Pois sabiam que eu queria voltar.
E com minha alma repleta de saudade. De preocupação com a diabetes de meu pai. E com o coração repleto de borboletas...por causa da falta do amor!
Voltei para a minha terra.
Voltei....


E voltando... 
Depois de alguns meses. Tive surpresas maravilhosas e outras tristes. Mas o que nos causa mais aprendizado ???
A dor.
E na dor.. a minha fé em Deus.. no meu anjo protetor vacilou.
Despencou numa ladeira sem fim e eu atrás.
As entrevistas (algumas) não aconteceram. O parente que tinha um monte de contato. Silenciou e o meu currículo nem solicitou.
Os amigos... Alguns dos quais até hoje trago na mais completa consideração e amor... literalmente me abandonou. Cansei de chamar alguns para almoçar para simplesmente conversar. Desabafar. Chorar.. ouvir... mas ficou para depois porque naquele momento isso ou aquilo estava acontecendo.
E eu entendi!
Claro... afinal eu estava vivendo o outro lado podre da moeda. e se algum amigo me chamasse para desabafar. Eu seria honesta em dizer que naquele momento eu não era companhia.


O mundo ao meu redor ensimesmou de uma forma tão gigantesca que fui me sentindo uma formiga. 
Eu posso até ter desistido de Deus algumas vezes, não vou negar, mas ele eu tenho certeza que nunca desistiu de mim.
Porque os amigos, aqueles que contamos nos dedos. Que nunca te abandonam mesmo que você queira se abandonar (como eu ouvi heroicamente da minha comadre, melhor amiga e irmã escolhida por minha alma) .... como Deus. Não me abandonaram.
Insistiram e eu tenho alguns sentimentos teimosos dentro de mim.. o romantismo e a esperança.
E voltei.. a frequentar o centro espírita... a ler meus livros. E não desistir 
A assinatura na catho ainda continua ativa e quase todos os dias mando meu currículo para alguma empresa.
Fiz algumas entrevistas mas Deus ainda não me mandou a entrevista correta.
E nesse meio tempo observando, sentimento meus moinhos de ventos internos se revoltando.. mas antes aprendendo.
E mais uma vez como acontece com nossos pensamentos, nassas escolhas, decisões, nossos sim's e nãos's.. tem consequência. E sendo boa ou ruim, como tudo na vida. Ela passa.

Eu sinto hoje e talvez por isso esteja sentindo que estou retomando os meus posts quase diários me dominando outra vez. Aquela brisa boa. Que seca a lágrima.. que brinca com os cabelos em desalinhos... alinhando a minha força, a minha fé e o meu foco.
Mas de tudo que me manteve respirando nesses meses digamos "trevosos" ... foi o amor.
O sorriso de meus filhos... as pérolas do meus joão. As cócegas do amor, as pegadinhas do amor, as vozes amigas, os abraços amigos. Mas acima de tudo minhas orações.
E de tudo que perdi ao longo desse ano.
Porque perdi muito, chorei ( e alguns dias ainda choro muito ).
Aprendi que a própria vida diante das minhas escolhas tirou de mim ... o que nunca me faria falta. Por mais que naquele momento eu ficasse me perguntando porque ?
E hoje percebo que a vida continua sim, sendo esse excelente, maravilho e inteligente sistema de recompensas. Simplesmente porque tudo passa.

Mas ficar sem ajudar nas despesas de casa, não pagar as mensalidades da escola de filhos em dias. Ver o meu nome entrando na lista do SPC. Me deu e ainda dá um sentimento de peso e impotência enorme. Para aqueles que moram comigo.
Mas vida que segue...
E ela segue, por mais que eu chore, que eu não queira ou que queira. Ela segue adiante
A vida segue por mais que eu pense que tão cedo não vou ter outro emprego. Que pode piorar e não dormir noites e noites pensando nos meses seguintes.
Ela segue



Problemas todos tivemos, temos e com toda certeza ainda teremos aos montes.
Mas a esperança tem o dom de diminuir, de abrandar, acalmar e 


E hoje estou assim nessa metamorfose ambulante... constante.
Alguns dias sorrindo e outros chorando. Mas acima de tudo sobrevivendo.
Porque um emprego para mim é tudo.

Continuei a ler os blog amigos... sumi uma época da internet. Porque precisava me sentir realmente viva e esse mundo virtual você pode rir, distrair, iludir e principalmente mentir  kkkk mas no fundo, no fundo sabe que a realidade do toque.. do ser , de querer se sentir vivo está longe de um computador ou celular.



Continuei a sorrir com meus pimpolhos mais ainda meu caçulinha que a lista de presentinhos só aumenta enquanto a mamãe esta sem emprego.
Continuei e continuo a orar por mim, por você e mais aquele que sempre desabafa de alguma forma comigo. Porque para Deus nada é impossível.

Bjs e até o próximo post.
Debby :)


Você vai gostar de ler

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Campanha de incentivo a Leitura

Campanha de incentivo a Leitura
Vamos ler mais e melhor!